banner

Todos

  • A

    Paciente

    2014

    A presença dos arte-educadores relaxa, alivia a dor e ameniza o tempo de espera.
  • a.a

    Paciente

    2014

    Se eu pudesse ficar em pé eu dançaria com a senhora.
  • A

    Profissional da Área Administrativa

    No dia programado da Arte Despertar fico aguardando para participar das atividades.
  • Acompanhante

    Hospital Nossa Senhora de Lourdes/São Luiz Jabaquara (2012)

    Agradecimento aos cantores da Arte Despertar que trazem luz e alegria aos pacientes e familiares. Creio que a humanização e a possibilidade de acompanhar o paciente complementam a capacidade e empenho da equipe, resultando na recuperação dos pacientes.
  • Adriano Augusto da Silva

    Funcionário da Companhia Nitro Química Brasileira

    2014

    Na data de ontem estive com meu avô na internação do Hospital Tide Setúbal e pude perceber o quanto é importante esse trabalho. Após a visita da equipe no quarto foi notório a mudança de humor e não só dos pacientes, mas sim, de todos que estavam ali presentes. Confesso que fiquei orgulhoso ao saber que a Nitro Química faz parte desse trabalho que sem sombras de dúvidas é fantástico e de extrema importância, mais uma vez agradeço e, em especial, as senhoras Adriana e Débora por demonstrarem tão comprometimento e carinho com aquilo que fazem.
  • Aline - Enfermeira da UTI Central

    Santa Casa de São Paulo (2012)

    Neste ano, a Arte Despertar estará conosco à tarde, então teremos esse privilégio, porque o trabalho não é só para os pacientes e sim para nós também.
  • Andréa Cristina da Silva

    Chefe do setor de Educação Continuada do serviço de psicologia da Santa Casa de São Paulo (2012)

    A participação da Arte Despertar no encontro de psicólogos foi interessante e obteve uma avaliação muito satisfatória pelos participantes. Os arte-educadores conseguiram transmitir a importância da arte como ferramenta facilitadora de expressão de sentimentos.
  • A. - Educadora

    Núcleo Educacional da Santa Casa de Diadema (2009)

    Achei interessante vivenciar as estratégias de musicalização, pois compreendi que posso trabalhar a música utilizando os mais variados recursos que temos em mãos, sendo que estes não necessitam ser de fato, instrumentos musicais. O que realmente é válido, é explorar o contexto musical em que estamos inseridos.
  • Acompanhante

    UTI do InCor (2009)

    Que benção para as pessoas que os recebem, não tenho a mínima dúvida da alegria e encanto que trazem, resultando numa melhora do paciente. O músico deixou meu filho tocar violão para o avô, pois estávamos no quarto no momento em que vieram. Foi o dobro de alegria! Infelizmente, meu pai teve complicações e permanece na UTI (lugar muito importante para esse trabalho), mas com fé, há de melhorar!
  • Adriana Aragão e André Lindenberg

    Arte-educadores Arte Despertar (2010)

    Podemos dizer que o vínculo com os profissionais da saúde está sendo fortalecido a cada atendimento nosso. Estamos identificando, a cada semana, quais são as possibilidades musicais a serem trabalhadas e aplicadas no ambiente da UTI.
  • Alice M. Oliveira

    Chefe do Serviço Social do Hospital Geral de Guarulhos/HGG (2008)

    O projeto tem sido muito importante tanto para pacientes quanto para funcionários, porque ameniza a hospitalização do paciente e cria uma expectativa agradável para todos.
  • André Lindenberg e Geraldo Orlando

    Arte-educadores Arte Despertar (2010)

    Quando iniciamos os atendimentos sempre diagnosticamos a origem cultural do paciente. Certa vez, ao atender um jovem, olhando os calos de suas mãos, a pele marcada pelo sol, observamos que ele tinha origem de trabalhador. Quando disse o seu nome e a cidade de onde era, logo percebemos que pássaros, barulhos de rios e toques de violas eram parte de sua identidade. E, assim, em poucos minutos ele aos choros, narrou suas histórias da infância.
  • Angélica Arechavala e Débora Kikuti

    Arte-educadora Arte Despertar (2010)

    O Médico chegou e quando nos viu, cumprimentou e disse ao paciente que voltaria depois, porque nós éramos "o melhor remédio"!
  • Atividade Telegrama Musical

    Ambulatório do ICESP (2011)

    Numa sala de espera agitada, com mais de cinquenta pessoas, num ambiente de controle e tratamento de pacientes com câncer, um senhor, numa das extremidades da sala lotada, chama o arte-educador de música da Arte Despertar e cochicha algo no seu ouvido. O educador exclama: "Quem é ela? Lá na outra ponta? Vou até lá!". Atravessando a sala e olhando para uma moça, o arte-educador começa a cantar "Como é grande o meu amor por você", do Roberto Carlos. A moça chora, o senhor chora e todos emocionados acompanham a canção. No final, a moça ainda emocionada, exclama: "Esse é o meu pai!"